BEM VINDO À REDE D'OR SÃO LUIZ

Fale Conosco

O que você procura

Campanhas



12/09/2017 - Casos de suicídio aumentam e reforçam a importância de falar sobre o assunto


Todos os anos, no mundo, mais de um milhão de pessoas tiram a própria vida. Em 2020, a previsão de aumento é de 1,5 milhões de mortes por suicídio ao ano. Os dados assustam, mas fundamentam a importância da Campanha Setembro Amarelo – de prevenção ao suicídio, que pontua que 32 brasileiros se suicidam, por dia – taxa superior às vítimas da AIDS e a maioria dos tipos de câncer. Por ser considerado ainda um tema "tabu", as pessoas fogem do assunto e, por medo ou por desconhecimento não conseguem reconhecer sinais de que uma pessoa próxima está com ideias ou comportamento suicida.

- É bastante difícil compreender o motivo que leva uma pessoa cometer um suicídio, e outras em situações similares não o fazem. Contudo, precisamos levar em conta os fatores emocionais, psiquiátricos, religiosos e socioculturais. Os principais fatores de risco são história de suicídio na família ou de tentativas anteriores de suicídio, e história de transtorno mental. Além disso, perdas recentes podem motivar o ato. Um ponto de atenção é quando a pessoa fala repetidamente sobre o tema da morte ou sobre suicídio – ressalta a psicóloga do Hospital Rios D’Or, Mariana Guedes.
 
Segundo a Organização Mundial de Saúde, 9 em cada 10 casos de suicídio poderiam ser prevenidos, e por isso a esperança e a importância da Campanha Setembro Amarelo: a ideia é "quebrar tabus, falando sobre o assunto, esclarecendo, conscientizando e estimulando a prevenção". Sabe-se que quando ocorre um suicídio, cerca de 6 a 10 pessoas são afetadas diretamente. Então, é de extrema importância compreender o sofrimento não só da pessoa que tentou o suicídio e não alcançou a morte, como também dos familiares, amigos e das demais pessoas próximas.
 
- O suicídio é um problema de saúde pública que não pode ser ignorado. As estatísticas, tanto no Brasil quanto em outros países, têm aumentado exponencialmente. A taxa de suicídio nos Estados Unidos, por exemplo, no início dos anos 2000, era de 11 para 100 mil indivíduos. Em menos de 10 anos esse número aumentou para 13 a cada 100 mil – explica Dr. Paulo Mattos, neurocientista do Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino (IDOR) e coordenador do Centro de Neuropsicologia Aplicada (CNA).
É importante saber que o trabalho de prevenção do suicídio nunca é solitário, envolve uma parceria com a família e os diversos profissionais (médico, psiquiatra, psicólogo, fisioterapeuta, etc), para que se possa estabelecer um plano de segurança. Além disso, pode-se recorrer ao Centro de Valorização à Vida, através de ligação para o número 141.
 
Depressão: o mal do século – Entre os fatores identificados de desencadeadores do suicídio está a depressão. Mesmo com todos os avanços da medicina, tem afetado milhões de pessoas ao redor do mundo. Considerada a doença do século, a depressão atinge 4,4% da população mundial e 5,8% dos brasileiros, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Os números alarmantes ampliaram o debate sobre o transtorno, mas muito ainda precisa ser feito. Segundo especialistas, falar sobre o problema é um passo importante, já que muitos confundem a tristeza patológica da transitória, provocada por acontecimentos ruins, que podem acometer qualquer pessoa durante sua trajetória de vida.
 
- A depressão é uma doença que pode afetar pessoas de diversas idades. Por isso, é importante estar atento a certos sintomas, como: fadiga ou perda de energia constante, baixa autoestima, distúrbio de sono (insônia ou sonolência excessiva), estado com o humor triste quase todos os dias, entre outros. O acompanhamento médico é essencial para a evolução do paciente, assim como a participação de amigos e familiares durante este processo – complementa o neurocientista.
O especialista destaca que a depressão não é a única doença a levar ao suicídio. A esquizofrenia também pode levar o paciente a tirar a própria vida.
 
FATORES DE RISCO PARA O SUICÍDIO:
- Comportamento retraído ou dificuldade para se relacionar com parentes e amigos;
- Alcoolismo;
- Ansiedade, pânico;
- Mudança na personalidade, irritabilidade, agressividade;
- Pessimismo, depressão;
- Mudança no hábito alimentar ou no padrão de sono;
- Sentimento de culpa, de se sentir sem valor;
- Perda recente importante (separação, divórcio, morte);
- Sentimentos de solidão, desesperança;
- Doença crônica limitante ou dolorosa.
 
 
COMO AJUDAR:
- Achar um lugar adequado, onde possa acontecer a conversa com uma privacidade razoável;
- Acolher a dor e o sofrimento, escutando atentamente e com interesse o que a pessoa diz, com calma e sem julgamentos para facilitar a comunicação;
- Aceitar a queixa da pessoa e ter respeito pelo sofrimento dela;
- Expressar respeito pelas opiniões e pelos valores da pessoa;
- Demonstrar preocupação, cuidado e afeto por ela;
- Orientar e acompanhar a busca por profissionais.

 
Centro de Neuropsicologia Aplicada (CNA) - Tanto a depressão quanto a ansiedade são relativamente comuns e podem afetar a atenção e a memória. O aprendizado de crianças e adolescentes, por exemplo, fica comprometido na maioria dos casos. Entretanto, é preciso fazer um diagnóstico preciso entre dificuldades que são secundárias à depressão e dificuldades de aprendizado que, secundariamente, levam à depressão por conta do fracasso acadêmico. Este pode ser um diagnóstico muito difícil, e por isso, o Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino (IDOR) se associou, em 2012, ao Centro de Neuropsicologia Aplicada (CNA), que se dedica ao diagnóstico de dificuldades de atenção, memória, linguagem e aprendizado desde 1992.
 
Lá, a equipe liderada pelo neurocientista Paulo Mattos realiza o exame neuropsicológico, que avalia o histórico de sintomas e o comportamento, além das funções intelectuais do paciente, que são: a memória, a linguagem, a percepção visual, a capacidade de planejamento e o controle de impulsos. “No exame, cada uma dessas funções é avaliada de modo objetivo e, depois, é realizado uma correlação de todas elas”, explica Mattos.
 
“No caso de queixas de desatenção, esquecimento, dificuldades de planejamento e até mesmo impulsividade, é fundamental distinguir se elas estão dentro do limite da normalidade ou se fazem parte de um problema que precisa de acompanhamento clínico. O exame neuropsicológico apresenta uma avaliação detalhada, auxiliando o profissional que está responsável pelo caso”, finaliza.
 
O CNA fica na Rua Diniz Cordeiro, 30, Botafogo, no Rio de Janeiro. Além de pesquisas científicas, o Centro de Neuropsicologia Aplicada realiza atendimentos externos.
 
 
#SetembroAmarelo #Depressão